Repelente Infantil - Dicas e Cuidados


Em época de Zika, Dengue, Chikungunya e Febre Amarela, a grande preocupação dos pais é como prevenir que os bebês sejam picados pelo mosquito Aedes Aegypti.

Lembro que eu estava grávida de 3 meses quando surgiu o boom de zika no país. Bateu aquele desespero em me proteger e o proteger minha filha, seja ainda na barriga ou após o nascimento, então pesquisei muito e conversei bastante com meu obstetra e com o pediatra da minha filha sobre todas as alternativas para prevenção.

O repelente ainda é uma das principais prevenções contra picadas de insetos, pois, protege cerca de 80% a 95% dos casos.

Mas a partir de qual idade o bebê pode usar repelente? Qual repelente crianças e bebês podem usar?

Abaixo reuni algumas dicas e cuidados para cada fase da criança:

Até os 6 meses

Infelizmente, não é indicado a utilização de repelentes em bebês menores de 6 meses.

Nessa fase os pais podem tomar alguns cuidados para evitar que os mosquitos entrem no local onde o bebê está.

Como? Com a utilização de:

- Mosquiteiros no berço e carrinho

- Roupas leves e claras com mangas e calças compridas

- Telas nas janelas e portas

- Repelente elétrico: emite ondas de ultrassom ou eletromagnéticas para repelir insetos. Geralmente esse aparelho pode ser ligado na tomada ou funciona com pilhas e emite um som inaudível para os seres humanos. Aparentemente são seguros para bebês.

- Citronela e substâncias naturais: evite o contato direto com a pele do bebê, pois, pode provocar alergias e irritações. Durante minha gravidez e os primeiros meses da minha filha, utilizei velas de citronela nos dias quentes em que os mosquitos apareciam com frequência. Acendia a vela e deixava queimar o dia inteiro. Como o ambiente era grande, o cheiro não ficava forte, mas sempre observe se o cheiro não está muito forte para o bebê para evitar que possa causar alguma irritação.

Cuidado com inseticidas, pois, é tóxico para o bebê. Se for inevitável, utilize em pequena quantidade quando o bebê não estiver no cômodo e aguarde um tempo para levar o bebê ao local, para evitar que substâncias nocivas sejam inaladas.

Fiquei sabendo recentemente que fora do Brasil existem opções de repelentes para bebês a partir de 2 meses, mas ainda não foram liberados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para venda no Brasil. Se optar por usar algum repelente desses consulte o pediatra.

- Babyganics

Um repelente totalmente orgânico, sem DEET. Sua composição inclui citronela, hortelã, alecrim, limão e gerânio.

Pode ser encontrado fora do Brasil ou através de sites e pessoas que revendem o produto por aqui, mas a venda ainda não é autorizada pela Anvisa. Portanto, só use com indicação médica.

Comprei o Babyganics para testar e gostei do cheirinho e da proteção. Detalhe: eu só usei na minha filha quando ela já tinha mais de 1 ano. Antes dos 6 meses só tomei os devidos cuidados com roupas, telas e mosquiteiros. Por sinal, uso os mosquiteiros de carrinho e de berço até hoje (minha filha está com 1 ano e meio), pois, ainda acho que são ótimos métodos de prevenção.

De 6 meses a 2 anos

Por enquanto, existem 3 opções de repelentes para crianças nessa idade:

- Loção Anti Mosquito Johnson's Baby

É o primeiro repelente do mercado seguro e eficaz para bebês com 6 meses ou mais. Isso porque é o único com formulação atóxica. Além disso, sua fórmula sem álcool não resseca a delicada pele do bebê, é dermatologicamente testada e repele mosquitos, pernilongos, borrachudos e outros insetos por até 4 horas. (fonte: Johnson´s Baby)

- Repelente Infantil Turma da Mônica Huggies

Especialmente desenvolvido para proteger a pele delicada dos bebês contra mosquitos, pernilongos e borrachudos e pode ser usado a partir de 6 meses de idade. Sua exclusiva fórmula com tecnologia Huggies® é dermatologicamente testada e não contém álcool etílico, garantindo uma aplicação segura e hidratação à pele, sem causar irritações. (fonte: Huggies)

- Exposis Infantil Gel

Indicado para crianças a partir de 6 meses de vida. Com 20% de icaridina e até 10 horas de proteção, a versão em gel é dermatologicamente testada. (fonte: Exposis)

Entre esses três, o único que testei é o da Johnson´s. Comprei logo que minha filha nasceu, mas só usei quando ela tinha 7 meses na nossa primeira viagem para praia. O cheirinho é super agradável e todas as vezes que ela usou não vi nenhuma picada, então, acredito que seja realmente eficaz.

De 2 anos a 12 anos

Nessa idade, a criança já pode usar repelentes infantis, a base de icaridina e DEET.

Sempre utilize as versões infantis que geralmente vem escrito Kids ou Infantil na embalagem, pois, possuem concentração mais baixa e menos tóxica para crianças.

A tabela abaixo mostra bem as principais diferenças entre os repelentes a venda no Brasil, idade recomendada e duração estimada.

Outros Cuidados

Independente do modelo escolhido, testes comprovam que os repelentes duram menos tempo do que o informado na embalagem. Portanto, não confie que a proteção vai durar 6h ou 10 h. Porém, a OMS (organização Mundial da Saúde) indica que o repelente não seja aplicado em crianças mais de 3 vezes ao dia. O ideal é utilizar outro método de proteção em conjunto. Utilize o repelente apenas quando for inevitável.

Prefira repelentes em creme ou loção, pois, o Spray pode ser inalado e irritar a mucosa nasal.

Não passe embaixo da roupa. Utilize apenas nas áreas expostas.

Não é recomendado utilizar repelente para dormir. O ideal é utilizar mosquiteiros e telas a noite.

Leia o rótulo sempre, converse e peça dicas ao pediatra e suspenda o uso imediatamente se houver qualquer tipo de alergia ou irritação.

Sempre consulte o pediatra

#repelenteinfantil #comoprotegeracriançadezika #quandoobebêpodeusarrepelente #querepelenteacriançapodeusar #repelenteembebê #repelenteparabebês

854 visualizações

ENTRE EM CONTATO

Raquel Freitas

Baby Planner | Assessora Materna

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Pinterest Icon
  • White YouTube Icon

© Todos os Direitos Reservados